5 conselhos a se considerar antes de adquirir um software de análise de dados

Capa do Post

A algumas semanas participei de um evento de tecnologia bastante frequentado por startups de tecnologia e empresas buscando soluções inovadoras. Todos os anos esse tipo de evento é fortemente baseado em tecnologias e tendências do momento e, nesta última edição, uma das palavras mais utilizadas entre os palestrantes foi “big data”. O termo “big data” é utilizado na área de tecnologia para representar um grande volume de dados. Esses dados podem ser coletados de inúmeras fontes e geralmente são armazenados em grandes bases de dados. O pensamento geral é: “Vamos coletar todos os dados possíveis e depois decidiremos o que fazer com eles”.

Com a informatização dos processos empresariais, as empresas passaram a gerar uma gigantesca quantidade de dados, que além de armazenados, precisam ser processados e estudados. A ciência dos dados (do inglês data science) entra em ação afim de transformar toda essa massa de dados em informações estatísticas e estratégicas, que podem ser úteis para a tomada de decisão corporativa. É nesse instante que uma empresa pode optar por adquirir um software de apoio a visualização inteligente desses dados. E dentre várias opções disponíveis no mercado, torna-se um desafio escolher uma solução que vá de encontro as necessidades.

Os pontos a seguir devem ser considerados antes de realizar a compra e implantação de um software de gestão analítica de dados:

Conselho 1: Adquira as habilidades antes de comprar o software. É bastante comum ouvirmos frases como “precisamos nos atualizar”, “temos que investir em tecnologia” e “big data é o futuro”. Muitos empresários pensam que se apenas adquirirem um software para acompanhamento analítico, uma montanha de respostas mágicas cairá sobre a empresa para solucionar todos os seus problemas. É o mesmo que comprar uma piscina e esperar que ela se encha e se limpe sozinha. É preciso saber tirar proveito das informações de um software de gestão. As habilidades de análise sobre informações estatísticas, comparar indicadores e avaliar as tendências são essenciais para tirar proveito da tecnologia.

Conselho 2: Não tenha medo de expor alguns dados. A primeira coisa que se pensa ao implantar um software analítico é “como faço para que ninguém acesse os meus dados?” É claro que é essencial que dados básicos dos clientes, dos funcionários e boa parte dos indicadores financeiros, estejam bem protegidos. Mas há uma quantidade surpreendente de informações estratégicas da empresa que devem, sim, serem compartilhadas entre líderes e gerentes. A performance das equipes, das vendas e dos processos, são dados essenciais para a tomada de decisão desses gestores e para que consigam repassar as estratégias corporativas às equipes operacionais.

Conselho 3: Tome cuidado com os templates. Muitos dos modelos de visualização padrão que acompanham alguns dos softwares analíticos são desenvolvidos para ter boa aparência e vender bem. Mas nem sempre é possível aplicar a estratégia em sua plenitude nesses modelos fixos e engessados. A solução em software precisa fornecer meios fáceis de compor a estratégia corporativa e de acompanhar o desempenho geral e individual das métricas envolvidas.

Conselho 4: Comece pelo essencial. Apenas porque o vendedor lhe prometeu que uma ferramenta consegue lidar com todo o volume de informações, não significa que é uma boa ideia. A ciência de dados serve para obter dados resumidos e estratégicos a partir de um grande volume de dados, mas de nada adianta se você não tiver tempo e/ou pessoas para aplicar inteligência sobre essas informações. É importante considerar o quão relevante determinado indicador é para a sua empresa, ordenar todos em uma lista e focar as análises de desempenho sobre os elementos do topo dessa lista.

Conselho Final: Não jogue toda a responsabilidade sobre o software. Software são ferramentas de apoio que facilitam muito a nossa vida em vários aspectos: acessibilidade, disponibilidade, segurança dos dados, organização, integração de informações e principalmente na exibição de informações relevantes que auxiliam o gestor na tomada de decisão. Apesar da tecnologia evoluir a passos largos, ainda não há um software capaz de tomar decisões delicadas da alta gestão de uma empresa. Portanto, analise os dados com cuidado e tome a decisão com o apoio de um software.

Há vários outros conselhos que poderiam ser citados, em postagens futuras complementarei com mais dicas voltadas as funcionalidades e características de softwares adequados ao processo de análise corporativa. Fique a vontade para participar com o seu comentário com críticas e sugestões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *